FIM DA RELIGIÃO NO MUNDO ATÉ 2050?

por Anselmo Borges

michelangelo1

A profecia repetida do fim da religião não se confirma.
Quando se olha para o planeta e não apenas para a Europa, constata-se que Deus não morreu nem está em vias de desaparecer da consciência da imensa maioria da Humanidade. É o que mostra um estudo independente elaborado pelo grupo La Vie e o diário Le Monde, agora acessível também em espanhol: El Atlas de las religiones.

Como escreve Rémy Michel, na apresentação, “é inegável que as religiões estão profundamente ancoradas no espaço geográfico que marcaram com as suas pegadas e que ordenam segundo as representações próprias de cada credo”, mas acrescenta que “as religiões não são estáticas, evoluem, conquistam territórios, deslocam-se”. Daí a importância de uma visão geopolítica da sua dinâmica para a compreensão das sociedades.

Assim, a socióloga R. Azria sublinha que o judaísmo “figura entre as grandes religiões do planeta menos pelo número, insignificante, de judeus no mundo do que por ter legado a mensagem bíblica ao Ocidente e desempenhado um papel importante no surgimento das outras duas grandes religiões monoteístas: cristianismo e islão”.

Segundo as projecções para 2050, precisamente estas duas religiões continuarão a crescer. Segundo o Atlas, o cristianismo continuará a ser a primeira religião, passando dos 1.747 milhões em 1990 (hoje os cristãos são uns 2.000 milhões) para 3.052 milhões. Mas será o número dos muçulmanos, que eram 962 milhões (hoje são 1.200 milhões), que mais aumentará, alcançando os 2.229 milhões.

O crescimento do hinduísmo e do budismo será mais moderado: os hindus passarão de 900 milhões para 1.175 milhões, e os budistas, de 323 milhões para 425 milhões. Os judeus, de 13 para 17 milhões.

O cristianismo atravessa uma mudança geográfica: caminha para o Sul. A Europa, que durante séculos foi o seu centro, não tem hoje mais do que uns 25% dos seus fiéis, e os católicos europeus – à volta de 25% do catolicismo mundial – não serão mais de 16% em 2050.

A imensa maioria dos cristãos situa-se na América: uns 275 milhões na América do Norte e 530 milhões na América Latina. O catolicismo tem na América metade dos seus fiéis.

É no continente africano que o cristianismo cresce mais rapidamente: uns 300 milhões de fiéis numa população de 800 milhões. Embora muito minoritário, crescerá na Índia e na China, mas tende a desaparecer lá onde nasceu: a Terra Santa. Na América e na Ásia, o protestantismo evangélico vive “um crescimento espectacular”.

A razão fundamental para o islã ser a religião que, proporcionalmente, mais se expande está no crescimento demográfico. Ao contrário da ideia corrente, a maioria dos muçulmanos não vive no Médio Oriente, mas na Ásia. Metade da comunidade islâmica vive em 4 países: Indonésia (o país com mais muçulmanos), Paquistão, Índia e Bangladesh. Na África, tem um terço da população. Na Europa, vivem 16 milhões e, nos Estados Unidos, 4 milhões. Importante é a observação de Olivier Roy, do CNRS, ao fazer notar que se operou uma mudança geopolítica no mundo muçulmano, pois “já não é percebido como um território cujas fronteiras é preciso defender, mas como uma comunidade mundial”.

O hinduísmo é a religião da sexta parte da Humanidade, sendo amplamente maioritário na Índia, com 83% da população. Também maioritário no Nepal, tem minorias importantes no Paquistão, Bangladesh e Sri Lanka.

O budismo não ganhou fiéis na proporção do espaço que algumas das suas práticas alcançaram no mundo. Como escreve F. Midal, “a violência do niilismo” levou a que “em certo sentido, o Ocidente se torne em grande parte budista, sem o saber e sem que isso se exprima em conversões”.

Dominique Borne, presidente do Instituto Europeu de Ciências das Religiões, sublinha que o fim do socialismo real e do ateísmo militante revelou que “o religioso, que se pensava desaparecido, sempre esteve presente”. Exemplos demonstrativos: a Rússia e o Vietname.

Espera-se que o diálogo interreligioso contribua decisivamente para a paz no mundo.

por Anselmo Borges

***

A Religião só acabará no mundo quando a humanidade desaparecer.

Para o desespero dos  ateus,niilistas (concebem a existência humana como desprovida de sentido..) agnósticos,materialistas,comunistas e afins,a abertura à transcendência é uma característica inata ao homem que busca sempre a verdade e sentido para sua vida.

É nesta busca pela verdade e pela beleza que  resplandece o espaço para nós cristãos atingirmos o homem moderno, que apesar demonstrar certa resistência a religião é, no fundo, sedento por Deus, caminho, verdade e vida!

Às vezes o que os ateus rejeitam é o modelo religioso que lhes apresentaram.Confundem Deus com o modelo,daí concluindo que tudo é” farinha do mesmo saco”.

Comentário: Carmadélio Silva

Fonte: http://www.comshalom.org/blog/carmadelio/3110-fim-da-religiao-no-mundo-ate-2050

Postado em: http://carloselianashalom.spaces.live.com/

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s