O COLARINHO ROMANO OU CLERICAL

Porque todo Padre deveria obedecer à Igreja e vestir o hábito ou o colarinho romano

Fonte: http://igrejamilitante.wordpress.com/2011/06/24/porque-todo-padre-deveria-obedecer-a-igreja-e-vestir-o-habito-ou-o-colarinho-romano/

 

Quantcastcolarinho romano

Colarinho Romano – Tradicional da Igreja Católica

1. O colarinho romano é um sinal de consagração sacerdotal ao Senhor. Como um anel de casamento distingue marido e mulher e simboliza a união de que gozam, de mesmo modo o colarinho romano identifica bispos e padres (e muitas vezes diáconos e seminaristas) e manifesta a sua proximidade com o Divino Mestre, em virtude de seu livre consentimento para o ministério ordenado para o qual que tenham sido (ou pode ser) chamado.

2. Pela utilização de roupa do ofício e por não possuir roupas em excesso, o sacerdote demonstra a adesão ao exemplo do Senhor de pobreza material. O sacerdote não escolhe suas roupas – a Igreja o faz, graças a sua sabedoria acumulada ao longo dos últimos dois milénios.

3. Humilde aceitação do desejo da Igreja que o sacerdote ao vestir  a batina e o colarinho romana ilustra por uma apresentação saudável à autoridade e conformidade com a vontade de Cristo, expressa através da sua Igreja.

4. A lei da Igreja exige que clérigos usem roupas cléricas, conforme número 66 do Diretório para sacerdotes, que se cita no cânon 284.

5. O uso do colarinho romano é um desejo repetido ardente pelo falecido papa João Paulo II. O desejo do então Santo Padre, hoje beatificado, a esse respeito não pode ser sumariamente demitido, ele fala com um carisma especial na função de líder da Santa Igreja. Ele freqüentemente lembrava aos sacerdotes o valor do uso do colarinho. Em uma carta datada aos 8 de setembro de 1982 ao Cardeal Ugo Poletti, seu vigário para a Diocese de Roma, o Pontífice instruiu-o a promulgar normas sobre o uso do colarinho romano e hábito religioso, observou que a veste clériga é valiosa, “não só porque contribui para a adequação do padre em seu comportamento externo ou no exercício do seu ministério, mas sobretudo porque dá evidência dentro da comunidade eclesiástica do testemunho público ao qual cada sacerdote é chamado a dar de sua própria identidade e que pertencem especialmente a Deus.

6. “Em uma homilia em Novembro 1982, o Papa dirigindo-se a um grupo de diáconos transitórios os quais ele estava prestes a ordenar ao sacerdócio. Ele disse que se eles tentassem ser como outra pessoa qualquer em seu “estilo de vida” e na “maneira de vestir”, então sua missão como sacerdotes de Jesus Cristo não poderia ser plenamente realizada.

7. O colarinho romano impede “mensagens contraditórias”; outras pessoas irão reconhecer as intenções do padre quando ele se vê no que poderia parecer circunstâncias comprometedoras. Vamos supor que um padre seja obrigado a fazer visitas pastorais a prédios de apartamentos diferentes em uma área onde o tráfico de drogas ou prostituição é prevalecente. O colarinho romano envia uma mensagem clara a todos que o padre chegou para ministrar aos doentes ou necessitados em nome de Cristo. Especulações ociosas podem ser desencadeadas por um sacerdote conhecido por moradores do bairro ao visitar casas apartamentos vestido como um leigo.

8. O colarinho romano inspira outros a evitarem a imodéstia no vestir, bem como palavras e ações e lembra-nos da necessidade de decoro público. Um padre alegre, mas diligente e sério, pode obrigar aos outros a fazerem um balanço da maneira pela qual se conduzem. O colarinho serve como um desafio necessário para tempos de afogamento na impureza, exibida pela vestes sugestivas, pelo discurso blasfemo e ações escandalosas.

9. O colarinho romano é uma ‘proteção’ para a vocação ao lidar com fiés do sexo oposto. Um padre sem de seu colarinho (e, naturalmente, não usando uma aliança de casamento) pode parecer um alvo atraente para os afetos de uma mulher solteira à procura de um marido, ou para uma mulher casada tentado a infidelidade.

10. O colarinho romano oferece uma espécie de “salvaguarda” para si mesmo e fornece um lembrete para o próprio sacerdote de sua missão e identidade: testemunhar a Jesus Cristo, o Grande Sumo Sacerdote, como um de seus irmão-sacerdotes.

11. Um padre em um colarinho romano é uma inspiração para outros que pensam: “Aqui está um discípulo moderno de Jesus.” O colarinho fala da possibilidade de fazer um compromisso sincero e duradouro com Deus. Fieis de diversas idades, nacionalidades e temperamentos vão notar a virtuosa vida centrada no próximo que o homem que de bom grado e orgulhosamente veste a roupagem de um padre católico e, talvez, venha a perceber que eles também podem consagrar-se de novo, ou pela primeira vez, ao amoroso Bom Pastor.

12. O colarinho romano é uma fonte de intriga benéfica para os não-católicos. A maioria dos não-católicos não têm experiência com os ministros que vestem trajes clericais. Portanto, os sacerdotes católicos em virtude de suas vestes podem levá-los a refletir – mesmo que seja apenas de um modo superficial – sobre a Igreja e o que ela implica.

13. Um sacerdote vestido como a Igreja quer é um lembrete de Deus e do sagrado. O pântano secular vigente não é gentil com as imagens que conotam o Todo-Poderoso, a Igreja, etc Quando alguém usa o colarinho, os corações e mentes dos outros são invariavelmente elevados ao “Ser Superior”, que geralmente é relegado a uma nota pequena na agenda da cultura contemporânea.

14. O colarinho romano é também um lembrete para o padre que ele “nunca é não um sacerdote.” Com tanta confusão prevalecente hoje, o colarinho pode ajudar o sacerdote a evitar a dúvidas internas a respeito de quem ele é. Dois guarda-roupas diferentes podem facilmente suscitar – e muitas vezes o fazem – a dois estilos de vida, ou mesmo duas personalidades distintas.

15. Um padre em um colarinho romano é uma mensagem de vocação ambulante. A visão de um padre, alegre feliz com confiança andando na rua pode ser um ímã a atrair jovens a considerarem a possibilidade de que Deus está lhes chamando ao sacerdócio. Deus faz o chamado, o sacerdote é simplesmente um sinal visível que Deus usará para atrair os homens para si.

16. O colarinho romano faz com que o padre disponível para os Sacramentos, sobretudo da Confissão e da Unção dos Enfermos, e em situações de crise. Porque o colarinho dá reconhecimento imediato, sacerdotes que usam-nos tornam-se mais aptos a serem abordados, particularmente quando seriamente necessário. Adeptos ao colarinho podem testemunhar quanto a serem solicitados para os Sacramentos e o convocados para assistência em aeroportos, cidades populosas e vilarejos isoladas, pois foram imediatamente reconhecidos como sacerdotes católicos.

17. O colarinho romano é um sinal de que o padre está se esforçando para tornar-se santo, vivendo a sua vocação sempre. É um sacrifício de fazer-se sempre disponível a todas as almas, pois são publicamente identificados como sacerdotes, mas esse é um sacrifício agradável a Nosso Divino Senhor. Somos lembrados de como o povo veio a ele, e como ele nunca os rejeitou. Há tantas pessoas que serão beneficiadas pelo sacrifício do padre que incessantemente luta para ser santo.

18. O colarinho romano serve como um lembrete para aqueles católicos “alienados” não se esquecerem de sua situação irregular e de suas responsabilidades para com o Senhor. O padre é uma testemunha – para o bem ou para o mal – a Cristo e sua Santa Igreja. Quando um “decaído” vê um padre, ele é estimulado a lembrar que a Igreja continua a existir. Um padre alegre fornece um lembrete salutar da Igreja.

19. O uso de roupa clerical às vezes é um sacrifício, especialmente em climas quentes. A melhores mortificações são aquelas que não procuramos. Submeter-se ao desconforto do calor e da umidade pode ser uma reparação maravilhosa para os nossos próprios pecados, e um meio de obter graças para nossos paroquianos.

20. O colarinho romano serve como um “sinal de contradição” para um mundo perdido no pecado e rebeldia contra o Criador. O colarinho torna-se uma poderosa declaração: o padre enquanto um alter Christus aceitou mandato do Redentor para levar o Evangelho para a praça pública, independentemente do sacrifício pessoal.

21. O colarinho romano ajuda aos sacerdotes a evitarem o ‘plantão’, a mentalidade de ‘folga do serviço sacerdotal’. Os números 24 e 7 devem ser os nossos números especiais: sacerdotes são sacerdotes, 24 horas por dia, 7 dias por semana. São sacerdotes, não os homens que se engajam na “profissão de sacerdote.” Dentro ou fora de serviço, o sacerdotes deve estar disponível a quem Deus possa enviar o no seu caminho. As “ovelhas perdidas” não fazem agendamento.

22. Os “oficiais” do exército de Cristo deve ser identificáveis como tal. Tradicionalmente, temos observado que aqueles que recebem o sacramento da Confirmação se tornam “soldados” de Cristo, são católicos adultos prontos e dispostos a defender seu nome e sua Igreja. Aqueles que são ordenados diáconos, padres e bispos também devem estar preparados para pastorearem o rebanho do Senhor. Aqueles padres que usam o colarinho romano manifestam o seu papel inequivocamente como líderes na Igreja

23. Os santos nunca aprovam uma abordagem da abstinência das vestes sacerdotais. Por exemplo, Santo Afonso de Ligório (1696-1787), patrono dos moralistas e dos confessores, em seu estimado tratado Dignidade e Deveres do Sacerdote, insta o uso apropriado de vestes clericais, afirmando que o colarinho ajuda tanto sacerdote quanto aos fiéis a recordar o sublime esplendor do estado sacerdotal instituído pelo Deus-Homem.

24. A maioria dos católicos espera que os seus sacerdotes se vistam de acordo. Sacerdotes há muito tem dado uma grande medida de conforto e segurança ao seu povo. Enquanto jovens, os católicos são ensinados que o padre é o representante de Deus – alguém em quem se pode confiar. Assim, o Povo de Deus quer saber quem são esses representantes são e o que eles representam. O costume de usar vestes distinguíveis foi sancionado durante séculos pela Igreja, não é uma imposição arbitrária. Os católicos esperam que os seus sacerdotes vistam-se como padres e comportem-se em harmonia com o ensinamento prático da Igreja. Como temos dolorosamente observado ao longo dos últimos anos, os fiéis são especialmente incomodados e prejudicados quando os sacerdotes desafiam a autoridade legítima da Igreja, e ensinam e agir de forma inadequada e até mesmo desobediente.

25. A vida de um padre pertence a Deus de uma maneira especial, ele é enviado para servi-lo com sua vida. Quando acordamos todas as manhãs, devemos dirigir o nosso pensamento para o nosso Deus amoroso, e pedir a graça de servi-lo bem naquele dia. De uma forma especial, os padres devem lembrar-se do seu status como Seus servos, escolhidos por colocar o traje que proclama para que todos possam ver que Deus ainda está trabalhando neste mundo através do ministério de pobres homens pecadores.

Adaptado do artigo por Corageous Priest – 25 reasons to wear the Roman Colar

Postado em: https://carloslopesshalom.wordpress.com

Anúncios

CASAMENTOS QUE PODEM SER CONSIDERADOS NULOS

Por Dom Estêvão Bettencourt

Aperto de mão

Em síntese: O presente artigo considera os impedimentos que tornam nulo o casamento e mostram como devem proceder as pessoas que julgam ter contraído um casamento nulo. A Igreja não anula um casamento validamente contraído e carnalmente consumado, mas pode declarar nulo o matrimônio que haja sido contraído com impedimento dirimente (anulante).

O Pe. Vitor Gropelli publicou um livro intitulado “A Cruz dos Recasados"1, em que aborda a situação das pessoas que, infelizes no seu casamento, vivem sós ou se unem a outrem sem a bênção de Deus. A obra é muito oportuna, pois oferece uma palavra de reconforto a tais pessoas e abre-lhes perspectivas geralmente pouco conhecidas. Com efeito; um casamento fracassado pode ter sido nulo em sua origem mesma, porque contraído com algum impedimento dirimente (anulante).

Quando alguém julga que seu matrimônio se enquadra em algum dos casos de impedimento dirimente, pode procurar o tribunal eclesiástico e pedir a investigação da validade ou não de tal matrimônio.

Visto que o assunto é de grande atualidade, vão, a seguir, transcritas as páginas dos capítulos V e VI da obra atinente a problemática.

CAPITULO V

QUANDO O MATRIMÔNIO É NULO ?

A Igreja, como também o direito civil, estabelece algumas condições para que o sacramento do matrimônio seja válido. Assim, há determinadas condições, chamadas juridicamente impedimentos dirimentes, que, quando ocorrem, tornam o ato da celebração sem efeito. Isso significa que, teoricamente, alguns casamentos são nulos ou inválidos apesar de terem sido celebrados com grande pompa e na frente de inúmeras testemunhas. O Código de Direito Canônico (CDC) chama impedimento dirirnente o que impede que o matrimônio seja válido. Os cânones 1083-1094 são dedicados a essa matéria.

Quais são, então, os impedimentos que tornam nulo o casamento? Vamos apresentá-los de forma resumida para que todos os conheçam e possam tirar suas conclusões.

1) O impedimento dirimente da idade (cânone 1083)

O homem que não tenha ainda 16 anos completos e a mulher antes que tenha 14 anos completos não podem contrair matrimônio válido. Não são raros os casos de adolescentes forçados a casar antes da idade impeditiva por terem tido uma suposta relação sexual. Conheci pessoalmente gente que declarou falsamente idade superior dos filhos para conseguir realizar o casamento. Infelizmente, isso acontece muitas vezes.

Portanto, as pessoas que foram vítimas desse crime e se casaram sem obter uma legítima dispensa do impedimento da idade devem saber que seu matrimônio nunca existiu como sacramento.

2) A impotência coeundi (sexual) (cânone 1084)

Essa impotência consiste na impossibilidade física ou psíquica, quer relativa quer absoluta, de se ter uma relação sexual completa com o próprio cônjuge. Para que o ato se torne nulo é necessário que a impotência coeundi seja antecedente ao matrimônio e perpetua, relativa ou absolu¬ta. A esterilidade não impede que o matrimônio seja válido.

3) A existência de outro matrimônio religioso (cânone 1085)

Esse cânone afirma que "tenta invalidamente contrair matrimônio quem está ligado pelo vinculo de matrimônio anterior, mesmo que esse matrimônio não tenha sido consumado". Isso porque o matrimônio validamente celebrado é indissolúvel e dura até a morte de um dos côn¬juges. Já encontrei uma pessoa que admitiu ter casado três vezes na Igreja sem se ter dado conta da lei da Igreja. Falou-me isso tendo ao lado a terceira esposa enquanto me perguntava: "O que devo fazer, agora?"

As duas esposas anteriores estavam vivas e, possivelmente, casadas com outros.

Como isso aconteceu? Creio que por falta de diligência na hora de pedir a certidão de batismo ou de registrar nela o casamento acontecido. De fato, no registro dos batizados deve ser anotado o casamento acon¬tecido para evitar que alguém minta e case de novo. As vítimas desse engano são vítimas também da pouca solicitude de nossas secretarias paroquiais.

Certa vez, alguém me alertou que um conhecido seu estava para casar de novo em outra cidade. Deu-me os dados do primeiro matrimô¬nio e fui conferir nos livros da paróquia onde tinha sido celebrado. Levei um susto quando li que eu tinha sido o presidente da cerimônia a pedido do vigário. Tentei em vão tomar as providências do caso. A segunda es¬posa conhecia os antecedentes do noivo? Não saberia dizer. Mais um matrimônio nulo.

4) Impedimento de disparidade de culto (cânone 1086)

Como prescreve o cânone 1086, é inválido o matrimônio entre duas pessoas, uma das quais católica, e outra não batizada, que tenha sido celebrado sem a devida dispensa do impedimento.

5) Impedimento da ordem sagrada (cânone 1087 e 1088)

E nulo o matrimônio de sacerdote, diácono celibatário e diácono permanente (cânone 1087) e de religiosos (as) ligados por voto público perpétuo de castidade (cânone 1088), que seja realizado sem a devida autorização (dispensa) da Igreja.

6) Impedimento de rapto (cânone 1089)

Se um dos dois e seqüestrado (raptado) a fim de realizar casamen¬to, não pode existir matrimônio enquanto permanecer a situação de rapto.

7) Impedimento de crime (cânone 1090)

É inválido o matrimônio de quem, “com intuito de contrair matrimô¬nio com determinada pessoa, matar o cônjuge dessa pessoa ou o pró¬prio cônjuge" (cânone 1090). Isso, infelizmente, não é fantasia, pois já aconteceu várias vezes. A dispensa desse impedimento só pode ser con¬cedida pela Santa Se".

8) Impedimento de consangüinidade (cânone 1091)

É absolutamente nulo o matrimônio entre pais e filhos, avós e netos e irmãos e irmãs. Sem a devida dispensa da Igreja, é nulo também o matrimônio entre tios e sobrinhos e entre primeiros primos, quer dizer, quando um ou os dois pais de um noivo são irmãos de um ou dois pais do outro.

9) Impedimento de afinidade (cânone 1092)

A afinidade é a relação existente entre os cônjuges validamente casados e os consangüíneos do outro. Este impedimento torna sempre inválido o matrimônio entre um dos dois e os ascendentes ou descen¬dentes do outro. Quer dizer que os viúvos não podem casar validamente com sogro, sogra, enteado, enteada.

10) Impedimento de pública honestidade (cânone 1093)

É parecido com o impedimento de afinidade. Só que o impedimen¬to de pública honestidade se dá quando os dois convivem sem ter casa¬do (concubinato notório ou público) ou dentro de um matrimônio invalido. Nesse caso, não pode haver matrimônio válido entre o homem ou a mu¬lher e eventuais filhos ou pais do companheiro.

11) Parentesco legal (cânone 1094)

É nulo o casamento entre o adotante e o adotado ou entre um des¬tes e os parentes próximos do outro.

Além dos impedimentos, outras circunstâncias colaboram para que o matrimônio não seja válido.

12) Falta de consentimento (cânone 1095)

Assim reza o cânone 1095:

“São incapazes de contrair matrimônio: 1-os que não tem suficien¬te uso da razão; 2- Os que tem grave falta de discrição de juízo a respeito dos direitos e obrigações essenciais do matrimônio, que se devem mutu¬amente dar e receber; 3-os que são incapazes de assumir as obrigações essenciais do matrimônio, por causa de natureza psíquica”.

As circunstâncias previstas por este cânone são mais freqüentes do que se magma. São elas que mais aparecem nos tribunais eclesiás¬ticos quando se dá entrada ao processo para a declaração de nulidade.

13) A ignorância a respeito da essência do matrimônio (c. 1096)

O cânone 1096 define como desconhecimento da essência do ma¬trimônio o do "consórcio permanente entre homem e mulher, ordenado a procriação da prole por meio de alguma cooperação sexual".

14) O erro de pessoa (cânone 1097)

Isso se dá quando alguém pensa que esta casado com urna pes¬soa, quando na realidade se trata de outra.

15) O dolo perpetrado (cânone 1098)

Isso acontece quando alguém é enganado por dolo perpetrado por outro, a fim de "obter o consentimento matrimonial, a respeito de alguma qualidade" pessoal que não existe, cuja falta "possa perturbar gravemen¬te o consórcio da vida conjugal".

16) Alguma condição negativa (cânone 1102)

A exclusão voluntária e consciente de filhos ou a firme vontade de não viver até a morte o matrimônio o torna inválido.

17) Medo e violência (cânone 1103)

Reza o cânone 1103:

“É inválido o matrimônio contraído por violência ou por medo grave proveniente de causa externa, ainda que não dirigido para extorquir o consentimento, quando, para dele se livrar, alguém se veja obrigado a contrair o matrimônio”.

Assim, como foi possível constatar, os casos ou as circunstâncias que podem tornar nulo o matrimônio são muitos e complexos. Por isso, um aprofundamento dirigido poderá ajudar os casais a sanar os erros e a recuperar a liberdade sacrificada num casamento inválido ou nulo. É opor¬tuno divulgar o que a Igreja diz a respeito de casamento nulo para dar condição aos fiéis de discernir o que devem fazer para poder alcançar a declaração de nulidade do primeiro matrimônio.

CAPITULO VI

COMO CONTACTAR O TRIBUNAL ECLESIÁSTICO

o que deve fazer quem acredita ter sérios motivos para duvidar da validade de seu matrimônio? Quais devem ser os primeiros passos para iniciar o processo de nulidade?

Há pouca informação a respeito do procedimento a ser adotado para a declaração de nulidade de um matrimônio. Quando uma pessoa acha que seu matrimônio, embora celebrado perante o representante da Igreja, não foi válido, o que deve ela fazer ? Nem sempre os sacerdotes e suas secretarias paroquiais sabem informar corretamente, deixando as pessoas agoniadas e confusas. Portanto, é necessário divulgar o mais pos¬sível quer os impedimentos que tornam nulo o matrimônio, quer o acesso ao tribunal eclesiástico, que a o órgão responsável para realizar o processo..

O que é um tribunal eclesiástico ?

A expressão tribunal eclesiástico pode ata assustar levando as pessoas a imaginar que se trate de algo complicado, como vêem nos processos e julgamentos que aparecem em muitos filmes e seriados de TV.

Na realidade, o tribunal eclesiástico a um órgão formado por urna equipe (colegiado) de três juizes (cânone 1425). Porém, se em primeira instância não for possível formar o colegiado de juizes, a Conferência Episcopal pode autorizar o bispo a entregar a causa a um único juiz sa¬cerdote (cânone 1425 § 4).
Quem trabalha no processo?

Durante o processo, intervêm sempre o defensor do vínculo (cânone 1432) e o notário (cânone 1437). Cabe ao defensor do vinculo a defesa do vinculo matrimonial e ao notário assinar as atas. Sem a assinatura do notário as atas devem ser consideradas nulas.

Como começa e se desenvolve o processo?

A introdução da causa a feita por meio de um pedido escrito (libelo) de uma das partes, a qual solicita a declaração de nulidade do matrimô¬nio (petitum) a partir de uma resumida descrição dos fatos e das provas (cânone 1504).

O presidente do colegiado, após uma tentativa de reconciliação entre os cônjuges (cânone 1676), tem o prazo de um mês para aceitar ou rejeitar, por decreto, o libelo (cânone 1505). Caso o decreto não seja dado dentro de um mês, passados dez dias depois do prazo, considera-¬se o libelo admitido (cânone 1506).

Depois disso, o presidente deve decretar que a citação seja comunicada a parte requerente, ao outro cônjuge e ao defensor do vin¬culo (cânone 1677).

Passados quinze dias após a notificação, o presidente terá mais dez dias para publicar o decreto e dar continuidade ao processo. Se a outra parte não responder a solicitação, o processo pode continuar após a declaração de sua ausência (cânone 1592).

As provas que dizem respeito a presumível nulidade do matrimô¬nio são colhidas durante o interrogatório das partes, das testemunhas e dos peritos. As partes não tem direito de assistir ao interrogatório das testemunhas e dos peritos (cânone 1678).

Os depoimentos devem ser registrados durante as audiências. Uma vez terminada a instrutória, o juiz deve publicar as atas (cânone 1598).

Se a sentença de nulidade for afirmativa, ela deve ser publicada e transmitida ao tribunal de apelação. O tribunal de segunda instância de¬vera confirmar ou rejeitar com um decreto (cânone 1617) a sentença re¬cebida.

Quando se conseguir uma dupla decisão em favor da nulidade do matrimônio, as partes poderão celebrar um novo matrimônio religioso, pois se entende que o primeiro nunca existiu.

Em que consiste o libelo?

O libelo é o pedido escrito que a parte demandante faz para solicitar a abertura do processo para a declaração de nulidade do matrimônio. Seu conteúdo compreende:

• Os dados pessoais da parte demandante e da parte demandada (endereço, profissão, religião, etc.);

• exposição dos fatos que podem justificar o pedido. Trata-se de um breve histórico, claro e objetivo, de como nasceu o amor, a decisão de casar, como foi vivido o relacionamento dentro do ma¬trimônio, como se chegou a separação;

• documentos vários: certidão de casamento religioso e civil, docu¬mentos relativos a separação;

• rol de cinco testemunhas que tenham conhecimento dos fatos.

Nem toda separação leva necessariamente a declaração de nulidade. Existem casos em que o matrimônio foi celebrado validamente. Portanto, seria um desgaste e uma perda de tempo iniciar um processo sabendo que não dará em nada. Para evitar este risco, é bom que as pessoas interessadas procurem a orientação de um sacerdote ou de um advogado.

Qual é a duração e quanto custa o processo?

A duração do processo é bem mais curta do que geralmente acontece nos processos civis. Ela depende da disponibilidade de tempo dos envolvidos: o casal, suas testemunhas, os juizes. O calendário das audiências é estabelecido de acordo com essa disponibilidade. Podemos di¬zer que um processo bem-sucedido pode durar cerca de um ano no Tri¬bunal de Primeira Instância. A demora pode depender, as vezes, da falta de tribunais e do número grande de processos em andamento.

As vezes, encontram-se pessoas que chegam a fazer o pedido anos depois da separação e quando já começaram um novo namoro. Nesse caso elas tem pressa em conseguir a declaração de nulidade. Um tribu¬nal eclesiástico não pode levar em conta a pressa da parte demandante.

O custo do processo é relativamente baixo. O peso do trabalho é sustentado por gente gabaritada que merece receber uma recompensa por sua participação. Mesmo que juizes, notário e defensor do vinculo não visem ao lucro, eles são profissionais que precisam de receber retribuições pelo trabalho sano que desenvolvem e que exige plena dedicação. Como não formam nenhuma associação de voluntariado que trabal¬ha de graça, para eles também vale o que diz o evangelho: "O operário é digno do seu salário" (Lc 10, 7). Além disso, há outras despesas conexas com o trabalho de um tribunal.

A CNBB estabelece tabelas de custos para determinar qual será a contribuição econômica da parte demandante e os honorários de quem trabalha nos processos.

De pessoas comprovadamente pobres não são cobradas as des¬pesas do processo. A Igreja local prevê para elas urna ajuda de custo especial chamada patrocínio gratuito.

(1) Ed. Ave-Maria, Sao Paulo 2001,140 x 210 mm, 104 pp. Data Publicação: 19/05/2008

http://www.cleofas.com.br/virtual/doc.php?doc=ESTEVAO

Postado em: https://carloslopesshalom.wordpress.com