POR QUE SE CELEBRA A MISSA DE SÉTIMO DIA?

Fonte: http://paroquiasantateresinha.com.br/por-que-se-celebra-a-missa-de-7o-dia/

Pe. Valdiran Santos (da Paróquia Santa Teresinha Região Brasilândia.)

missa-de-7-dia-retangulo

PARA ENTENDER MELHOR

O número sete na Bíblia é igual à perfeição que é = DEUS. Em 7 dias Deus criou o mundo e descansou. Essa tradição de luto de 7 dias nós encontramos na Bíblia:

  • O luto de Jacó durou 7 dias (Gn 50,10)
  • Saul foi enterrado e fizeram um jejum de 7 dias (1Sm 31,13)
  • O povo chorou a morte de Judite durante 7 dias (Jt 16,24)
  • O luto por um morto dura 7 dias (Eclo 22,11)

Para nós é importante continuar essa tradição porque somos Cristãos; homens e mulheres de esperança, cremos na vida eterna e acreditamos que a morte não é o fim de tudo, mas o começo de uma nova vida. “Cristo, morrendo, destruiu a morte e ressuscitando dos mortos deu-nos a vida”.

Quando rezamos diante de um corpo, estamos diante de alguém que, pelo batismo foi o templo da Santíssima Trindade (1Cor 2,16-17) e confiamos plenamente na ressurreição conforme  Jesus prometeu: “Eu sou a ressurreição e a vida”.

2Mc 12,43-45 “Então fizeram uma coleta individual, reuniram duas mil moedas de prata e mandaram para Jerusalém, a fim de que fosse oferecido um sacrifício pelo pecado. Ele agiu com grande retidão e nobreza, pensando na ressurreição. Se não tivesse esperança na ressurreição dos que tinham morrido na batalha, seria coisa inútil e tola rezar pelos mortos. Mas, considerando que existe uma bela recompensa guardada para aqueles que são fiéis até a morte, então esse é um pensamento santo e piedoso. Por isso, mandou oferecer um sacrifício pelo pecado dos que tinham morrido, para que fossem libertados do pecado”.

Ecle 11,7 “Então o pó volta para a terra de onde veio, e o sopro vital retorna para Deus que o concedeu”.

Sb 3,1-4 “As almas dos justos, ao contrário, estão nas mãos de Deus, e nenhum tormento as atingirá. Aos olhos dos insensatos, aqueles pareciam ter morrido, e o seu fim foi considerado como desgraça. Os insensatos pensavam que a partida dos justos do nosso meio era um aniquilamento, mas agora estão em paz”.

Jó 19,25-27 “Eu sei que o meu Redentor está vivo e que no fim se levantará acima do pó. Eu mesmo o verei, e não outro; eu o verei com os meus próprios olhos”.

Dn 12,3 “Muitos que dormem no pó despertarão: uns para a vida eterna, outros para a vergonha e a infâmia eternas, os sábios brilharão como brilha o firmamento e os que ensinam a muitos a justiça brilharão para sempre como estrelas”.

A FÉ CRISTÃ NA RESSURREIÇÃO

Para nós cristãos morrer significa passar da morte para a vida, é ir ao encontro com o Pai e viver eternamente no seu convívio. Para os que crêem em Deus “a vida não é tirada, mas transformada”.

No Novo Testamento há inúmeras passagens que falam da ressurreição e da  vida eterna. Esses textos são o fundamento da nossa fé e da nossa esperança. Vejamos alguns:

  • “Então o anjo disse às mulheres: Não tenham medo. Eu sei que vocês estão procurando Jesus, que foi crucificado. Ele não está aqui. Ressuscitou como havia dito”. (Mt 28,5-6);
  • “Ainda estavam falando, quando Jesus apareceu no meio deles, e disse: A paz esteja com vocês” (Lc 24,36);
  • “Jesus apareceu a dois deles, com outra aparência, enquanto estavam a caminho do campo” (Mc 16,12);
  • “Jesus disse: Eu sou a ressurreição e a vida. Quem acredita em mim, mesmo que morra, viverá. E todo aquele que vive e acredita em mim, não morrerá para sempre” (Jo 11,25-26)
  • “Estou convencido de que nem a morte nem a vida, nem os anjos nem os principados, nem o presente nem o futuro…nada nos poderá separar do amor de Deus manifestado em Jesus Cristo, nosso Senhor” (Rm 8,38-39);
  • “O que os olhos não viram, os ouvidos não ouviram e o coração do homem não percebeu, foi isso o que Deus preparou para aqueles que o amam. Deus porém, o revelou a nós pelo Espírito”. (1Cor 2,9);
  • “O mesmo acontece com a ressurreição dos mortos: o corpo é semeado corruptível, mas ressuscita incorruptível; é semeado desprezível, mas ressuscita glorioso, é semeado na fraqueza, mas ressuscita, cheio de forma” (1Cor 15,42-43);
  • “Nós sabemos: quando a nossa morada terrestre, a nossa tenda for desfeita, receberemos de Deus uma habitação no céu, uma casa eterna não construída por mãos humanas”(2Cor 5,1);
  • “Com ele, vocês foram sepultados no batismo, e nele vocês foram também ressuscitados mediante a fé no poder de Deus que ressuscitou Cristo dos mortos” (Cl 2,12);
  • “A voz do Arcanjo e ao som da trombeta Divina, o próprio Senhor descerá do céu. Então os mortos em Cristo ressuscitarão primeiro” (1Ts 4,16);
  • “Os homens morrem uma só vez e depois disso vem o julgamento” (Hb, 9,27);
  • “Os que vem da grande tribulação…Nunca mais terão fome, nem sede; nunca mais serão queimados pelo sol, nem pelo calor ardente. Pois o Cordeiro que está no meio do trono será o pastor deles; vai conduzi-los até as fontes de água de vida. E Deus lhes enxugará toda lágrima dos olhos” (Ap 7,16-17);
  • “Felizes os mortos, aqueles que desde agora morrem no Senhor. Sim diz o Espírito, descansem, de suas fadigas, pois suas obras os acompanham” (AP 14,13).

CONCLUSÃO

Os textos que lemos justificam as nossas orações pelos mortos, especialmente a Santa Missa, culto máximo de louvor, gratidão e adoração a Deus, Senhor da vida e da imortalidade. A missa de 7º dia está, portanto, fundamentada na Palavra de Deus. Com certeza, uma prece dirigida a Deus, por alguém vivo ou falecido, não lhe fará mal nenhum, pois rezamos ao Deus Pai, autor e Senhor da vida. Dessa forma participamos da Comunhão dos Santos, aqueles que estão na glória do céu, aqueles que esperam o dia do julgamento e nós que militamos neste mundo.

Anúncios

PÔS-SE COM ELES A CAMINHO

Por Santo Agostinho (354-430), Bispo de Hipona (Norte de África), Doutor da Igreja
Sermão 235, 1-3; PL 38, 118-119

jesus showing buyers a cute three bedroom two bath that's priced to move 1576x1391 Duccio_di_Buoninsegna_Emaus
«Pôs-Se com eles a caminho»

Depois da ressurreição, o Senhor Jesus encontrou no caminho dois dos Seus discípulos, que conversavam sobre o que tinha acontecido. Ao vê-los tão tristes, perguntou-lhes:

«Que palavras são essas que trocais entre vós, enquanto caminhais?»

Esta passagem do Evangelho traz-nos uma grande lição, se a soubermos compreender. Jesus aparece, mostra-Se aos discípulos e não é reconhecido. O Mestre põe-Se com eles a caminho, e é Ele próprio o caminho (Jo 14,6). Mas eles não estão ainda no verdadeiro caminho; quando Jesus os encontra, tinham perdido o caminho. Enquanto morava com eles, antes da Paixão, tinha-lhes predito tudo: os sofrimentos por que passaria, a Sua morte, a Sua ressurreição ao terceiro dia. Tudo lhes anunciara; mas a Sua morte fizera-os perder a memória […].

«Nós esperávamos que fosse Ele O que viria redimir Israel.»

Como, discípulos, vós esperáveis e agora já não esperais? Apesar de Cristo estar vivo, tendes em vós morta a esperança? Sim, Cristo está vivo. Mas Cristo vivo encontrou mortos os corações dos discípulos. Surge diante dos seus olhos, e eles não se apercebem; mostra-Se, e continua escondido deles. […] Caminha com eles e parece segui-los, e é Ele quem os conduz. Eles vêem-No mas não O reconhecem, «porque os seus olhos estavam impedidos de O reconhecer». […] A ausência do Senhor não é uma ausência. Crê apenas, e Aquele que não vês está contigo.

Postado em: https://carloslopesshalom.wordpress.com

FICA CONOSCO, SENHOR!

Catequese de Bento XVI – 11/04/2012

Cristo em Emaús

Depois das celebrações da Páscoa o nosso encontro de hoje é invadidos por uma alegria espiritual, também se o céu está acinzentado, levamos no coração a alegria da Páscoa, a certeza da Ressurreição de Cristo que definitivamente triunfou sobre a morte. Antes de tudo, renovo a cada um de vocês uma cordial saudação pascal: em todas as casas e em todos os corações ressoa o anúncio alegre da Ressurreição de Cristo, que faz renascer a esperança.

Nesta catequese gostaria de mostrar a transformação que a Páscoa de Jesus provocou nos seus discípulos. Partamos da noite do dia da Ressurreição. Os discípulos estão fechados em casa por medo dos judeus (Jo 20,19). O temor aperta o coração e impede de andar ao encontro dos outros, encontro à vida. O mestre não está mais. A recordação da Paixão alimenta a incerteza. Mas Jesus tem no coração os seus e está para cumprir a promessa que havia feito durante a Última Ceia: "Não vos deixarei órfãos, mas virei até vocês (Jo 20,19) e isto diz também a nós, também nos tempos difíceis: "não vos deixarei órfãos".

Esta situação de angústia dos discípulos muda radicalmente com a chegada de Jesus. Ele entra a portas fechadas, está em meio a eles e doa a paz que sustenta:

Shalom!!! (Paz a vós)" (Jo 20,19b).

É uma saudação comum que, todavia, ora conquista um significado novo, porque opera uma mudança interior; é uma saudação pascal, que faz superar todo o medo dos discípulos. A paz que Jesus traz é o dom de salvação que Ele havia prometido durante os seus discursos de despedida: "Vos deixo a paz, vos dou a paz. (Jo 14,27). Neste dia da Ressurreição, Ele a doa em plenitude e ela se torna para a comunidade fonte de alegria, certeza de vitória, segurança no apoiar-se em Deus.

"Não se turbe o vosso coração, e não tenhais medo" (Jo 14,1)

diz também a nós.

Depois desta saudação, Jesus mostra aos discípulos as feridas das mãos e do lado (Jo 20,20), sinais daquilo que aconteceu e jamais será apagado: a sua humanidade gloriosa fica ‘ferida’. Este gesto tem o objetivo de confirmar a nova realidade da Ressurreição: O Cristo que agora está entre os seus é uma pessoa real, o mesmo Jesus que três dias antes foi pregado na cruz.

E é assim que, na luz fulgurante da Páscoa, no encontro com o Ressuscitado, os discípulos colhem o sentido salvífico da sua paixão e morte. Então, da tristeza e do medo passam à alegria plena. A tristeza e as feridas se tornam fonte de alegria. A alegria que nasce no coração deles deriva do ‘ver o Senhor (Jo 20,20). Ele diz-lhes de novo: "Paz esteja com vocês" (v.21). É evidente agora que não é somente uma saudação. É um dom, o dom que o Ressuscitado quer fazer aos seus amigos, e é ao mesmo tempo uma entrega: esta paz, conquistada por Cristo com seu sangue, é para eles, mas também para todos, e os discípulos deveram levá-la em todo o mundo.

De fato, Ele acrescenta: "Como o Pai enviou-me, também eu vos envio". Jesus ressuscitado retornou entre os seus discípulos para enviá-los. Ele completou a sua obra no mundo, e agora lhes cabe semear nos coração a fé, para que o Pai, conhecido e amado, recolha todos os seus filhos da dispersão. Mas Jesus sabe que nos seus existe ainda muito temor, sempre. Por isso, cumpre o gesto de soprar sobre eles e os regenera no seu Espírito (Jo 20,22); este gesto é o sinal da nova criação.

Com o dom do Espírito Santo que provém de Cristo ressuscitado tem inicio, de fato, um mundo novo. Com o envio em missão dos discípulos, se inaugura o caminho no mundo do povo da nova aliança, povo que crê Nele e na sua obra de salvação, povo que testemunha a verdade da ressurreição. Esta novidade de uma vida que não morre, trazida pela Páscoa, é difundida por toda a parte, para que os espinhos do pecado que ferem o coração do homem, dêem lugar às sementes da graça, da presença de Deus e do seu amor que vencem o pecado e a morte.

Queridos amigos, também hoje o Ressuscitado entra nas nossas casas e em nossos corações, apesar de vezes as portas estarem fechadas. Entra doando alegria e paz, vida e esperança, dons dos quais temos necessidade para o nosso renascimento humano e espiritual. Somente Ele pode retirar aquelas pedras de sepulcro que o homem frequentemente coloca sobre os próprios sentimentos, sobre as próprias relações, sobre os próprios comportamentos, pedras que estabelecem a morte: divisões, inimizades, rancores, invejas, divergências, indiferenças.

Somente Ele, o Vivente, pode dar sentido à existência e retoma o caminho a quem é cansado e triste, desesperançoso. É o que experimentaram os dois discípulos que no dia de Páscoa estavam em caminho de Jerusalém a Emaús (Luc 24,13-35). Eles falam de Jesus, mas a face deles está triste (v. 17) exprime as esperanças frustradas, a incerteza e a melancolia. Tinham deixado suas cidades para seguir Jesus com seus amigos, e tinham descoberto uma nova realidade, na qual o perdão e o amor não eram mais somente palavras, mas tocavam concretamente a existência. Jesus de Nazaré tinha tornado tudo novo, tinha transformado a vida deles. Mas agora, Ele estava morto e tudo parecia ter chegado ao fim.

De repente, todavia, não são mais dois, mas três pessoas que caminham. Jesus se aproxima dos dois discípulos e caminha com eles, mas eles são incapazes de reconhecê-lo. Claro, tinham ouvido as vozes sobre a ressurreição, de fato lhes referem: "Algumas mulheres, das nossas vieram a dizer-nos de terem tido uma visão de anjos, os quais afirmam que Ele é vivo (v 22-23).

Entretanto, tudo isso não foi suficiente para convencê-los, por eles não haviam visto" (v.24). Então Jesus, com paciência, começando por Moisés e por todos os profetas, explicou-lhes em todas as Escrituras aquilo que era referente a Ele (v.27). O Ressuscitado explica aos discípulos a Sagrada Escritura, oferecendo a chave de leitura fundamental dela, isto é, Ele mesmo e o seu Mistério Pascal: a Ele as Escrituras rendem testemunho (Jo 5,39-47). O sentido de tudo, da Lei, dos Profetas e dos Salmos, improvisadamente se abre e se torna claro aos olhos deles. Jesus tinha aberto-lhes a mente à inteligência das Escrituras (Luc 24,35).

Logo em seguida, chegaram ao vilarejo, provavelmente à casa de um dos dois. O forasteiro viajante faz como se quisesse andar mais longe (v.28). Também nós sempre de novo devemos dizer ao Senhor com ardor:

"Fica conosco".

Quando se pôs à mesa com eles, tomou o pão, recitou a benção, o partiu e o deu a eles. (v.30). A repetição dos gestos realizados por Jesus na última Ceia é evidente. "Então se abriram os olhos deles e o reconheceram" (v.31).

A presença de Jesus, antes com as palavras, depois com o gesto do partir o pão, torna possível aos discípulos de reconhecê-lo, e esses podem sentir em modo novo quanto havia já sentido caminhando com Ele: "Ardia o nosso coração enquanto ele conversava conosco ao longo do caminho, quando nos explicava as escrituras? (v.32). Este episódio nos indica dois lugares privilegiados onde podemos encontrar o Ressuscitado que transforma a nossa vida: a escuta da palavra, em comunhão com Cristo, e o partir o Pão; ‘dois lugares’ profundamente unidos entre eles porque "Palavra e Eucaristia se pertencem tão intimamente ao ponto de não poderem ser compreendidas uma sem a outra: A Palavra de Deus se faz carne sacramental no evento eucarístico" (Exort. Ap. Pós-sinodal Verbum Domini, 54-55).

Depois deste encontro, os dois discípulos partiram para Jerusalém, onde encontraram reunidos os onze e os outros que estavam com eles, os quais diziam: "Verdadeiramente o Senhor ressuscitou e apareceu a Simão!" (v 33-34). Em Jerusalém eles escutavam a notícia da ressurreição de Jesus, a por sua vez, narraram a própria experiência, inflamada de amor pelo Ressuscitado, que lhes abriu o coração em uma alegria que não se podia conter. Foram, como diz São Pedro, regenerados em uma experiência viva da ressurreição de Cristo dos mortos (Pt 1,3). Renasce de fato, neles o entusiasmo da fé, o amor pela comunidade, a necessidade de comunicar a boa notícia. O Mestre ressuscitou e com Ele toda a vida ressurge; testemunhar este evento se torna para eles uma enorme necessidade.

Caros amigos, o tempo pascal seja para todos nós uma ocasião propícia para redescobrir com alegria e entusiasmos as fontes da fé, a presença do Ressuscitado entre nós. Trata-se de cumprir o mesmo itinerário que Jesus fez os discípulos de Emaús realizarem, através da redescoberta da Palavra de Deus e da Eucaristia, isto é, andar com o Senhor e deixar abrir os olhos ao verdadeiro sentido da Escritura e à sua presença no partir o pão. O cume deste caminho, assim como hoje, é a Comunhão Eucarística: na Comunhão Jesus nos nutre com o seu Corpo e Seu Sangue, para ser presente na nossa vida, para tornar-nos novos, animados pela potência do Espírito Santo.

Em conclusão, a experiência dos discípulos nos convida a refletir sobre o sentido da Páscoa para nós. Deixemo-nos encontrar por Jesus ressuscitado! Ele, vivo e verdadeiro, é sempre presente em meio a nós; caminha conosco para guiar a nossa vida, para abrir os nossos olhos. Temos confiança no Ressuscitado que tem o poder de dar a vida: a liberta do medo, dá a ela firme esperança, a torna animada por aquilo que doa sentido à existência, o amor de Deus. Obrigado!

Papa Bento XVI

Postado em: https://carloslopesshalom.wordpress.com

RESSURREIÇÃO DE JESUS – Jo 20, 1-9

Evangelho do dia comentado por professores da Universidade de Navarra

Fonte: http://www.opusalegria.com.br/evangelho-do-dia/evangelho-do-dia-mes-de-abril-de-2012/

Resurreccion_Prado

08.04.2012 – Jo 20, 1-9

No primeiro dia da semana, vem Maria de Magdala, de manhãzinha, ainda escuro, ao túmulo e vê a pedra retirada do túmulo. 2Corre então e vai ter com Simão Pedro e com o outro discípulo aquele que Jesus amava. Tiraram o Senhor do Túmulo, lhes diz ela, e não sabemos onde O puseram. 3Pedro saiu com o outro discípulo e vieram ambos ao túmulo.

4Corriam os dois juntamente, mas o outro discípulo antecipou-se, correndo mais depressa do que Pedro, e chegou primeiro ao túmulo. 5Debruçando-se, viu as ligaduras no chão, mas não entrou. 6Entretanto, chega também Simão Pedro, que o vinha seguindo, e entrando no túmulo, põe-se a observar as ligaduras que estavam no chão, 7e o lençol que estivera sobre a cabeça de Jesus, não colocado no chão com as liga­duras, mas à parte, enrolado para outro sítio. 8Nessa altura, entrou também o outro discípulo, que chegara primeiro ao túmulo: então viu e acreditou. 9De fato, ainda não tinham entendido a Escritura, segundo a qual Ele deve ressuscitar dos mortos.

 

Comentário

1-2. Os quatro Evangelhos narram os primeiros tes­temunhos das santas mulheres e dos discípulos acerca da Ressurreição gloriosa de Cristo. Tais testemunhos refe­rem-se, num primeiro momento, à realidade do sepulcro vazio (cfr Mt 28,1-15; Mc 16,1 ss.; Lc 24,1-12). Depois rela­tarão diversas aparições de Jesus Ressuscitado.

Maria Madalena é uma das que assistiam o Senhor nas Suas viagens (Lc 8,1-3); junto com a Virgem Maria seguiu-O corajosamente até à Cruz (Ioh 19,25), e viu onde tinham depositado o Seu Corpo (Lc 23,55). Agora, uma vez passado o repouso obrigatório do Sábado, vai visitar o túmulo. No­temos o pormenor evangélico: «De manhãzinha, ainda es­curo»: o amor e a veneração fazem-na ir sem demora junto ao Corpo do Senhor.

4. O quarto Evangelho põe em realce que, ainda que fossem as mulheres, e em concreto Maria Madalena, as primeiras a chegar ao sepulcro, são os Apóstolos os pri­meiros a entrar e a perceber os pormenores externos que mostram que Cristo ressuscitou (o sepulcro vazio, os tecidos «caídos», o sudário à parte). Dar testemunho deste fato será ponto essencial da missão que lhes confiará Cristo: «Sereis Minhas testemunhas em Jerusalém… e até aos confins da terra» (Act 1,8; cfr Act 2,32).

5-7. João, que chegou antes — quiçá porque era mais jovem —, não entrou, por deferência para com Pedro. Isto insinua que já então Pedro era considerado como cabeça dos Apóstolos.

As palavras que emprega o Evangelista para descrever o que Pedro e ele viram no sepulcro vazio exprimem com vivo realismo a impressão que lhes causou o que ali encontraram, e como ficaram gravados na sua memória alguns porme­nores à primeira vista irrelevantes. As características que apresentava o sepulcro vazio foram até tal ponto significativas que os fizeram intuir de algum modo a Ressurreição do Senhor. Alguns termos que aparecem no relato necessitam de ser explicados; a simples tradução dificilmente pode exprimir todo o conteúdo.

«As ligaduras no chão»: O particípio grego que traduzimos por «caídas» ou «no chão» parece indicar que as ligaduras tinham ficado aplanadas, como vazias ao ressuscitar e desa­parecer dali o corpo de Jesus, como se Este tivesse saído dos tecidos e das ligaduras sem ser desenroladas, passando através delas (tal como entrou mais tarde no Cenáculo «estando fechadas as portas»). Por isso, os tecidos estavam «caídos», «planos»,«jacentes» segundo a tradução literal do grego, ao sair deles o Corpo de Jesus que os tinha mantido antes em forma avultada. Assim se compreende a admiração e a recordação indelével da testemunha. «O lençol… à parte, ainda enrolado para outro sítio»: A primeira observação é que o sudário, que tinha envolvido a cabeça, não estava em cima dos tecidos, mas ao lado. A se­gunda, mais surpreendente, é que, como os tecidos, conser­vava ainda a sua forma de envoltura, mas, de modo diferente daqueles, mantinha certa consistência de volume, à maneira de casquete, provavelmente devido ao endurecimento pro­duzido pelos unguentos. Tudo isso é o que parece indicar o correspondente particípio grego, que traduzimos por «en­rolado».

Destes pormenores na descrição do sepulcro vazio de­preende-se que o corpo de Jesus ressuscitou de maneira gloriosa, isto é, transcendendo as leis físicas. Não se tra­tava apenas da reanimação do corpo, como por exemplo, no caso de Lázaro, que necessitou de ser desligado das ligaduras e outros tecidos da mortalha para poder andar (cfr Ioh 11,44).

8-10. Como lhes tinha dito Maria Madalena, o Senhor não estava no sepulcro; mas os dois Apóstolos deram-se conta de que não podia tratar-se de um roubo, como ela supunha, pois viram que os tecidos e o sudário se encontravam colocados de um modo especial (cfr a nota a Ioh 20,5-7); ao vê-los assim começaram a compreender o que tantas vezes lhes tinha explicado o Mestre acerca da Sua Morte e Ressurreição (cfr Mt 16,21; Mc 8,31; Lc 9,22; etc.; cfr, além disso, as notas a Mt 12,39-40 e Lc 18,31-40).

O sepulcro vazio e os outros dados que o acompanham são sinais perceptíveis pelos sentidos; a Ressurreição, pelo contrário, ainda que possa ter efeitos comprováveis pela experiência, requer a fé para ser aceite. A Ressurreição de Cristo é um fato real e histórico: nova união do corpo e da alma de Jesus. Mas, sendo uma Ressurreição gloriosa — não como a de Lázaro—, que está muito acima do que pode­mos apreciar nesta vida, e supera, portanto, os limites da experiência sensível, requer-se uma ajuda especial de Deus — o dom da fé — para conhecer e aceitar com certeza este fato que, ao mesmo tempo que é histórico, é sobre­natural. Portanto, pode dizer-se com São Tomás de Aquino que «cada um dos argumentos de per si não bastaria para demonstrar a Ressurreição, mas, tomados em conjunto, manifestam-na suficientemente; sobretudo pelo testemunho da Sagrada Escritura (cfr especialmente Lc 24,25-27), pelo anúncio dos Anjos (cfr Lc 24,4-7) e pela palavra de Cristo confirmada com milagres» (cfr Ioh 3,13; Mt 16,21; 17,22; 20,18) (Suma Teológica, III, q.55, a. 6 ad 1).

Além das predições de Cristo acerca da Sua Paixão, Morte e Ressurreição (cfr Ioh 2,19; Mt 16,21; Mc 9,31; Lc 9,22), já no Antigo Testamento estava anunciado o triunfo glorioso do Messias e, de certo modo, a Sua Ressurreição (cfr Ps 16,9; Is 52,13; Os 6,2). Os Apóstolos começam a com­preender o verdadeiro sentido da Sagrada Escritura depois da Ressurreição do Senhor, e mais especialmente quando recebem o Espírito Santo, que ilumina plenamente as suas inteligências para compreender o conteúdo da Palavra de Deus. É de supor a surpresa e o alvoroço de todos os discí­pulos ao ouvir contar a Pedro e a João o que tinham visto no sepulcro.

Postado em: https://carloslopesshalom.wordpress.com/