AS VIRTUDES DE NOSSA SENHORA

Por Pe. Paulo Ricardo

https://padrepauloricardo.org/episodios/4-domingo-do-advento-as-virtudes-de-nossa-senhora#.VJaOP5rGqSk.mailto

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo Lucas (Lc 1, 26-38)
Quarto Domingo do Advento

image

O Evangelho escolhido para este Domingo, que antecede a grande solenidade do Natal, é o da Anunciação do Anjo e Encarnação de Deus.

Em primeiro lugar, o diálogo entre o anjo Gabriel e Maria Santíssima é espelho de outro que acontece na eternidade, entre o Pai e o Filho. É sabido que Deus Pai quis enviar o Seu Filho ao mundo, conforme está escrito: “De fato, Deus amou tanto o mundo, que deu o seu Filho único, para que todo o que nele crer não pereça, mas tenha a vida eterna” [1]. Este decreto do Pai, no entanto, foi acolhido humildemente pelo Filho. Assim como a Virgem respondeu ao anjo: “Ecce ancilla Domini, fiat mihi secundum verbum tuum – Eis aqui a escrava do Senhor! Faça-se em mim segundo a tua palavra”, o Autor Sagrado põe nos lábios de Cristo as palavras do salmista: “Eis que eu vim, ó Deus, para fazer a tua vontade” [2].

Mas, às portas do Natal, por que recordar uma narrativa de nove meses atrás (afinal, a Igreja celebra a Anunciação no dia 25 de março)? A resposta está em que todos os cristãos são chamados a imitar as virtudes de Nossa Senhora, a fim de bem celebrar o Santo Natal. O Catecismo Maior de São Pio X, ao responder “quais são as virtudes que a Santíssima Virgem mostrou, de modo especial, ao receber a mensagem do Anjo São Gabriel”, ensina: “Ao receber a mensagem do Anjo São Gabriel, a Santíssima Virgem mostrou, de modo especial: pureza admirável, humildade profunda, fé e obediência perfeita.”

Primeiro, Nossa Senhora mostrou “pureza admirável”. Quando o anjo lhe anunciou que seria a mãe do Salvador, ela não colocou nenhuma objeção ao poder de Deus – que sabia ser onipotente –, mas apenas perguntou: “Como acontecerá isso, se eu não conheço homem algum?” Também nós somos chamados a imitar a inocência da Virgem Santíssima. A principal e mais concreta forma de fazê-lo é por meio de uma boa Confissão. Para bem receber Nosso Senhor neste Natal, nada melhor do que purificar o coração por meio deste sacramento.

Segundo, Nossa Senhora mostrou “humildade profunda”. Quando o anjo a saudou, dizendo: “Alegra-te, cheia de graça! O Senhor está contigo”, ela “perturbou-se com estas palavras e começou a pensar qual seria o significado da saudação”. Diante das palavras elogiosas do anjo, ela não se ensoberbeceu. Assim como Cristo “não se apegou ao ser igual a Deus, mas despojou-se, assumindo a forma de escravo” [3], Maria Santíssima “não se apegou”, por assim dizer, ao fato de ser “cheia de graça” e imaculada, mas reconheceu-se como “escrava do Senhor”. Olhando para o mistério do Natal e para a humildade de Jesus e de sua mãe, devemos imitá-los e lutar contra a nossa soberba.

Terceiro, Nossa Senhora mostrou “fé e obediência perfeita”. Assim como Cristo fez-se “obediente até a morte – e morte de cruz” [4], a Virgem Santíssima pediu que se fizesse nela “segundo a tua palavra”. Diante da obediência dos dois, também nós devemos obedecer, manifestando dia a dia a nossa fé e fidelidade aos planos de Deus – ainda que permaneçam misteriosos para nós.

A propósito, quando se fala que os mistérios de Deus são incompreensíveis, não é porque eles são irracionais, mas porque são suprarracionais. Quando o Senhor mostra o que é e o que faz, as criaturas são ofuscadas por Sua luz. Por isso, às vezes fica mais fácil contemplar o mistério do Natal – do Deus que Se faz servo – à luz do “sim” de Maria Santíssima.

Sigamos então o exemplo de Nossa Senhora: na pureza, preparando o nosso coração por meio da Confissão; na humildade, descobrindo que o Natal é obra gratuita da bondade divina; e naobediência, procurando ser fiel aos projetos de Deus para o ano que se avizinha. Quem sabe, em 2015, Deus pedirá de nós o heroísmo do martírio? Ou o testemunho silencioso do dia a dia? Desde já, adoremos os decretos de Deus, antes mesmo de conhecê-los.

Referências

Jo 3, 16
Hb 10, 7; Sl 40, 8-9
Fl 2, 6-7
Fl 2, 8

Posted from WordPress for Android

A ESPERANÇA CRISTÃ

Papa fala da esperança cristã e pede fiéis longe do comodismo

Homilia do Papa – 29/10/2013

Santo Padre lembrou que esperança cristã não é otimismo, mas vai além disso

missa-papa-21-10

Desde que foi eleito Papa, Francisco tem o costume de celebrar a Missa todas as manhãs na Casa Santa Marta, onde reside / Foto: Arquivo/Rádio Vaticano

A esperança cristã foi o tema da homilia do Papa Francisco nesta terça-feira, 29, na Casa Santa Marta. Afirmando que a esperança não é otimismo, mas uma ardente expectativa pela revelação do Filho de Deus, o Santo Padre defendeu que os cristãos devem se proteger de clericalismos e atitudes cômodas. Isso porque a esperança cristã é dinâmica e doa vida.

Francisco partiu das palavras de São Paulo na Primeira Leitura do dia para destacar a dimensão única da esperança cristã. Ele explicou que a esperança é segura, mas nem sempre é fácil entendê-la, o que pode fazer a pessoa confundir esperança com otimismo.

“A esperança não é um otimismo, não é aquela capacidade de olhar as coisas com bom ânimo e seguir adiante. Não, isso é otimismo, não esperança (…) Podemos dizer que a esperança é uma virtude, como diz São Paulo, ‘de uma ardente expectativa pela revelação do Filho de Deus’. Não é uma ‘ilusão’”.

Nesse sentido, o Pontífice explicou que ter esperança é justamente essa atitude de tensão para com a revelação, sendo mais que um otimismo. Remetendo aos primeiros cristãos, Francisco lembrou que estes a entendiam como uma âncora fixa na margem. E hoje o caminho é justamente caminhar para esta âncora.

“A mim vem a pergunta: onde estamos ancorados, cada um de nós? Estamos ancorados às margens daquele oceano distante ou em uma lagoa artificial que nós fizemos, com as nossas regras, os nossos comportamentos, os nossos horários, os nossos clericalismos, as nossas atitudes eclesiais? Estamos ancorados ali, tudo cômodo, seguro? Isto não é esperança”, disse.

Outro ícone que São Paulo dá à esperança é o do parto. Trata-se de uma espera dinâmica, que dá a vida. E embora não se veja a premissa do Espírito Santo, sabe-se que Ele trabalha, como um grão de mostarda, mas cheio de vida. Francisco diferenciou então o viver na esperança do viver como bons cristãos, apenas, e citou o exemplo de Maria.

“Penso em Maria, uma moça jovem, quando, depois que ela sentiu que era mãe mudou o seu comportamento e foi, ajudou e cantou aquele cântico de louvor. Quando uma mãe está grávida é mulher, mas não é nunca (somente) mulher: é mãe. E a esperança tem algo disto. Muda o nosso comportamento: somos nós, mas não somos nós; somos nós, mas procurando lá, ancorados lá”.

Ao final da homilia, o Sumo Pontífice dirigiu-se a um grupo de sacerdotes mexicanos que estavam presentes na Missa em ocasião dos 25 anos de ordenação.

“Peçam a Maria, Mãe da Esperança, que os vossos anos sejam de esperança, de viver como padres de esperança, doando esperança”.

NOSSA SENHORA DO SIM: AQUELA QUE FAZ A VONTADE DE DEUS

por Santo Ireneu de Lyon
Bispo, Teólogo, Mártir – (c. 130-c. 208)
Contra as heresias III, 21,9-22,1; cf SC 211

Anunciação

Nossa Senhora do Sim: Aquela que faz a vontade de Deus

Deus havia prometido que da linhagem de David sairia o Rei eterno que reuniria todas as coisas em Si mesmo (Sl 131,11; Ef 1,10). Portanto, Deus retomou a obra que tinha projetado inicialmente (Gn 2,7). […] E, tal como Adão, o primeiro homem modelado, recebeu a sua substância de uma terra virgem e imaculada […] e foi moldado pela mão de Deus, isto é, a Palavra de Deus «por quem todas as coisas foram feitas» (Jb 10,8; Jo 1,3) […], do mesmo modo foi de Maria ainda virgem que nasceu o Verbo, que é esta recuperação de Adão. […] Por que foi que Deus não o tirou de novo do barro? Por que fez sair de Maria a obra que modelou? Foi para que a obra assim modelada não fosse diferente da primeira, mas a mesma, que não fosse outra a que é salva, mas a mesma, que a mesma fosse retomada, respeitando a semelhança.

Portanto, enganam-se os que dizem que Cristo nada recebeu da Virgem. Estes querem rejeitar a herança da carne, mas rejeitam também a semelhança […]; já não se poderia dizer que Cristo era semelhante ao homem feito à imagem e à semelhança de Deus (Gn 1,27). Era o mesmo que afirmar que Cristo Se manifestou apenas na aparência, aparentando ser um homem, ou que Se tornou um homem sem nada assumir do homem. Se Ele não recebeu de um ser humano a substância da Sua carne, não Se fez homem nem Filho do homem; e se não Se fez aquilo que nós éramos, pouca importância têm as Suas dores e o Seu sofrimento. […] O Verbo de Deus fez-Se verdadeiramente homem, recuperando em Si mesmo a obra que Ele tinha modelado. […] O apóstolo Paulo afirma claramente na carta aos Gálatas: «Deus enviou o Seu Filho, nascido de uma mulher» (4,4).

Postado em: https://carloslopesshalom.wordpress.com

APRENDEI DE MIM PORQUE SOU MANSO E HUMILDE DE CORAÇÃO

por Beata Teresa de Calcutá
(1910-1997), fundadora das Irmãs Missionárias da Caridade – No Greater Love, p. 53

578070_260775420697390_1265094942_n

«Aprendei de Mim porque sou manso e humilde de coração»

Para nos tornarmos santos, precisamos de humildade e oração. Jesus ensinou-nos a rezar e também nos disse para aprendermos, seguindo o Seu exemplo, a ser mansos e humildes de coração. Só alcançaremos uma e outra coisa se soubermos o que é o silêncio. Tanto a humildade como a oração provêm de um ouvido, de uma inteligência e de uma língua que provaram o silêncio junto de Deus, pois Deus fala no silêncio do coração.

Esforcemo-nos verdadeiramente por aprender a lição de santidade de Jesus, cujo coração era manso e humilde. A primeira lição dada por este coração é a de examinarmos a nossa consciência, sendo que o resto – amar, servir – surge logo a seguir. Este exame não é exclusivamente da nossa competência, mas releva de uma colaboração entre nós e Jesus. Não vale a pena perder tempo a contemplar inutilmente as nossas misérias; trata-se, isso sim, de elevar o coração a Deus e deixar que a Sua luz nos ilumine.

Se fores humilde, nada te afetará, nem a lisonja, nem a desgraça, pois saberás o que és. Se te repreenderem, não te sentirás desencorajado; e se alguém te disser que és santo, não te colocarás num pedestal. Se fores santo, agradece a Deus; se fores pecador, não te fiques por aí. Cristo diz-te para aspirares muito alto: não para seres como Abraão ou David, ou como qualquer outro santo, mas como o nosso Pai celeste (Mt 5,48).

«Não fostes vós que Me escolhestes, fui Eu que vos escolhi» (Jo 15,16).

Postado em: https://carloslopesshalom.wordpress.com

ANÚNCIO DA PAIXÃO E PEDIDO DOS FILHOS DE ZEBEDEU – Mt 20, 17-28

Comentário

the_lord_is_my_shepherd

18-19. O Senhor volta a profetizar aos Apóstolos a Sua morte e ressurreição. A perspectiva de julgar o mundo (cfr Mt 19, 28) podia deslumbra-los até pensarem num reino mes­siânico temporal, num caminho fácil, em que estivesse ausente a ignomínia da Cruz.

Cristo, além disso, prepara o ânimo dos Apóstolos para que quando chegue esta prova recordem que Ele a tinha profetizado, e esta recordação os ajude a superar o escândalo que padeceriam, O anúncio da Paixão é descrito com pormenor.

«Tudo o que as diversas manifestações de piedade nos trazem à memória nestes dias — diz Monsenhor Escrivá de Balaguer referindo-se à Semana Santa — se encaminha decerto para a Ressurreição, que é o fundamento da nossa fé, como escreve S. Paulo (cfr 1Cor 15,14). Mas não percorramos este caminho demasiado depressa; não deixemos cair no esquecimento alguma coisa muito simples, que por vezes parece escapar-nos: não poderemos participar da Ressur­reição do Senhor se não nos unirmos à Sua Paixão e à Sua Morte (cfr Rom 8,17). Para acompanhar Cristo na Sua glória no final da Semana Santa, é necessário que penetremos antes no Seu holocausto e que nos sintamos uma só coisa com Ele, morto no Calvário» (Cristo que passa, n.°95).

20. Os filhos de Zebedeu são Tiago Maior e João: A sua mãe, Salomé, pensando na instauração iminente do reino temporal do Messias, solicita para os filhos os dois lugares mais influentes. Cristo repreende-os porque desconhecem a verdadeira natureza do Reino dos Céus, que é espiritual, e porque ignoram a verdadeira natureza do governo na Igreja que ia fundar, que é serviço e martírio. «Se pensas que, ao trabalhar por Cristo, os cargos são algo mais do que cargas, quantas amarguras te esperam!» (Caminho, n.° 950).

22. «Beber o cálice» significa sofrer perseguições e martírio pelo seguimento de Cristo. «Podemos»: Os filhos de Zebedeu responderam audazmente que sim; esta generosa expressão evoca aquela outra que escreveria anos mais tarde São Paulo: «Tudo posso n’Aquele que me conforta» (Phil 4,13).

23. «O Meu cálice bebê-lo-eis»: Tiago Maior morrerá mártir em Jerusalém pelo ano 44 (cfr Act 12,2); e João, depois de ter sofrido cárcere e açoites em Jerusalém (cfr Act 4, 3; 5, 40-41), padecerá longo desterro na ilha de Patmos (cfr Apc 1, 9).

Destas palavras do Senhor deduz-se que o acesso aos lugares de governo na Igreja não deve ser fruto da ambição e das intrigas humanas, mas consequência da vocação divina. Cristo, que tinha os olhos postos em cumprir a Vontade de Seu Pai Celeste, não ia distribuir os cargos levado por considerações humanas, mas segundo os desígnios do Pai.

____________________________________________________________________________________________

BENTO XVI: CARREIRISMO NA IGREJA É CONTRÁRIO AO EVANGELHO

Catequese na audiência geral sobre o "munus regendi" do sacerdote

ROMA, quarta-feira, 26 de maio 2010 (ZENIT.org). – Na Igreja, a autoridade e a hierarquia constituem um serviço de amor em nome de Cristo, e por essa razão não há espaço para o carreirismo: foi o que afirmou nesta quarta-feira Bento XVI na audiência geral na Praça de São Pedro.

Em sua catequese, o Papa refletiu sobre o munus regendi do sacerdote, sua atribuição de governar, falando principalmente da relação entre hierarquia e a dimensão pastoral da Igreja.

A este propósito, o Pontífice observou como, com frequência, a hierarquia eclesiástica é concebida com algo que se contrapõe à humildade ensinada no Evangelho.

"Mas esta é uma má compreensão do sentido da hierarquia, que historicamente também causou abusos de autoridade e carreirismo", observou, e fruto de uma interpretação errônea do conceito de hierarquia, que significa na verdade "origem sacra", e remete assim a uma autoridade que vem de um Outro.

"Quem entra na sagrada Ordem do sacramento, a ‘hierarquia’, não é um autocrata, mas entra em um novo laço de obediência a Cristo", explicou.

"Também o Papa – ponto de referência de todos os demais Pastores e da comunhão da Igreja – não pode fazer o que quer; ao contrário, o Papa é custódio da obediência a Cristo, à sua palavra reassumida na regula fidei, no Credo da Igreja, e deve proceder na obediência a Cristo e à sua Igreja", acrescentou Bento XVI.

A Igreja de fato, exerce uma "autoridade que é serviço […] em nome de Jesus Cristo".

Assim, evidenciou que, "para ser Pastor segundo o coração de Deus, é necessário um profundo enraizamento na viva amizade com Cristo, não apenas da inteligência, mas também da liberdade e da vontade, uma clara consciência da identidade recebida na Ordenação Sacerdotal, uma disponibilidade incondicional para conduzir o rebanho confiado aonde Deus deseja e não na direção que, aparentemente, parece mais conveniente ou mais fácil".

"O significado profundo e último da tarefa de governar que o Senhor nos confiou," acrescentou, é aquele de "conduzir os homens a Deus, despertar a fé, erguer o homem da inércia e do desespero, dar a esperança de que Deus está próximo e guia a história pessoal e do mundo".

Finalmente, o Papa convidou os sacerdotes a participarem das celebrações de conclusão do Ano Sacerdotal, programadas para o período de 9 a 11 de junho próximo, em Roma.

"Orai – encorajou, enfim, os fiéis – para que saibamos tomar conta de todas as ovelhas, também daquelas perdidas, do rebanho a nós confiado."

Fonte: http://www.zenit.org/article-25023?l=portuguese

____________________________________________________________________________________________

26. O Concilio Vaticano II insiste de uma maneira notável neste aspecto de serviço que a Igreja oferece ao mundo, e que os cristãos hão-de apresentar como testemunho da sua identidade cristã: «Este sagrado Concilio, procla­mando a sublime vocação do homem, e afirmando que nele está depositado um germe divino, oferece ao gênero humano a sincera cooperação da Igreja, a fim de instaurar a frater­nidade universal que a esta vocação corresponde. Nenhuma ambição terrena move a Igreja, mas unicamente este objetivo: continuar, sob a direcção do Espírito Consolador, a obra de Cristo que veio ao mundo para dar testemunho da verdade, para salvar e não para julgar, para servir e não para ser servido» (Gaudium et spes, n. 3; cfr Lumen gentium, n. 32; Ad gentes, n. 12; Unitatis redintegratio, n. 7).

27-28. Jesus Cristo apresenta-Se a Si mesmo como exemplo que deve ser imitado por aqueles que exercem a autoridade na Igreja. Ele, que é Deus e Juiz que há-de vir a julgar o mundo (cfr Phil 2,5-11; Ioh 5,22-27; Act 10,42; Mt28, l 8), não Se impõe, mas serve-nos por amor até ao ponto de entregar a vida por nós (cfr Ioh15,1.3): esta é a Sua forma de ser o primeiro. Assim o entendeu São Pedro, que exorta os presbíteros a que apascentem o rebanho de Deus a eles confiado, não como dominadores sobre a herança, mas servindo de exemplo (cfr 1Pet 5, 1-3); e São Paulo, que não estando submetido a ninguém, se faz servo de todos para a todos ganhar (cfr 1Cor 9, 19 ss; 2 Cor 4, 5).

O «serviço» de Cristo à humanidade vai encaminhando para a salvação. Com efeito, a frase «dar a vida em redenção por muitos» não deve ser interpretada como uma restrição da vontade salvífica universal de Deus. «Muitos» aqui não se contrapõe a «todos» mas a «um»: Um é o que salva e a todos é oferecida a salvação.

Postado em: https://carloslopesshalom.wordpress.com

«SENTA-TE NO ÚLTIMO LUGAR»

Por São Francisco de Assis (1182-1226)
Fundador da Ordem dos frades menores – Primeira regra, § 17

11-Francisco-predica-en-el-mercado-de-Asís

«Senta-te no último lugar»

Irmãos, evitemos o orgulho e a vã glória. Evitemos a sabedoria deste mundo e a prudência egoísta. Pois aquele que é escravo das suas tendências egoístas investe muito esforço e aplicação na formulação de discursos, mas muito menos na passagem aos actos: em lugar de procurar a religião e a santidade interiores do espírito, quer e deseja uma religião e uma santidade exteriores e visíveis aos olhos dos homens. É sobre eles que o Senhor diz: «Em verdade vos digo, receberam a sua recompensa» (Mt 6,5). Pelo contrário, aquele que é dócil ao Espírito do Senhor quer mortificar e humilhar esta carne egoísta. […] Dedica-se à humildade e à paciência, à simplicidade pura e à verdadeira paz de espírito; o que deseja sempre e acima de tudo é o temor de Deus, a sabedoria de Deus e o amor de Deus, Pai, Filho e Espírito Santo.

Ofereçamos todos os bens ao Senhor, Deus altíssimo e soberano; reconheçamos que todos os bens Lhe pertencem; demos-Lhe graças por tudo, pois é d’Ele que procedem todos os bens. Que Ele, o Deus altíssimo e soberano, o único Deus verdadeiro, obtenha e receba todas as honras e todo o respeito, todos os louvores e bênçãos, todo o reconhecimento e toda a glória; pois todo o bem está n’Ele e só Ele é bom.

Postado em: https://carloslopesshalom.wordpress.com

JOÃO VEIO ATÉ VÓS… E NÃO ACREDITASTES NELE

por São Pedro Crisólogo
(c. 406-450), bispo de Ravena, doutor da Igreja – Sermão 167; CCL 248, 1025, PL 52, 636

388300_133519250084277_100002786072640_113686_2138786960_n

«João veio até vós, ensinando-vos o caminho da justiça,
e não acreditastes nele»

João Baptista ensina com palavras e actos. Verdadeiro mestre, mostra pelo seu exemplo aquilo que afirma com a sua palavra. O saber faz o mestre, mas é a conduta que confere autoridade. […] Ensinar pelos actos é a única regra daquele que quer instruir. A instrução pelas palavras é sabedoria; mas quando passa pelos actos é virtude. Por conseguinte, a sabedoria é autêntica quando unida à virtude: só então é divina e não humana. […]

«Naqueles dias, apareceu João, o Baptista, a pregar no deserto da Judeia. Dizia: ‘Convertei-vos, porque está próximo o Reino do Céu’» (Mt 3,1-2). «Convertei-vos.» Porque não diz: «Rejubilai»? «Rejubilai antes porque as realidades humanas dão lugar às realidades divinas, as terrestres às celestiais, as temporais às eternas, o mal ao bem, a incerteza à segurança, a tristeza à felicidade, as realidades perecíveis às que permanecerão para sempre. O Reino dos céus está muito próximo. Convertei-vos.» Que a tua conduta de convertido seja evidente. Tu que preferiste o humano ao divino, que quiseste ser escravo do mundo em vez de vencedor do mundo com o Senhor do mundo, converte-te. Tu que fugiste da liberdade que as virtudes conferem porque quiseste sofrer o jugo do pecado, converte-te; converte-te verdadeiramente, tu que, por medo de possuir a Vida, te entregaste à morte.

Postado em: https://carloslopesshalom.wordpress.com